Agora que entendemos o que a certificação LEED representa, vamos falar sobre energia renovável.
Por se tratar de uma fonte de energia limpa e inesgotável ela se torna uma grande vantagem em economia de consumo, tanto na execução da obra, quanto na entrega do empreendimento ao usuário do ambiente. O Brasil teve um avanço considerável nessa área através das pesquisas realizadas, o que propiciou relevante crescimento no conhecimento da tecnologia de matriz energética. Essa energia além de contribuir com ações de sustentabilidade – justamente por se tratar das fontes provenientes da força do vento e do calor do sol – também viabiliza a redução de custos de moradia.
Os bons ventos soprados no Brasil, segundo a ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica – permitiram ao país em 2012 gerar pela primeira vez 1 gigawatt-hora (GWh) de energia eólica. Isso corresponde cerca da metade da capacidade instalada na América Latina, o que representa ainda apenas 0,38% do total mundial e 1% da matriz energética brasileira.

Já a energia fotovoltaica apenas começou crescer quando a ANEEL liberou em 2012 a instalação de placas de energia solar. Em regiões onde ainda não há rede elétrica houve uma maior representação na fatia do uso da energia chegando a contar cerca de cinco vezes mais até o final de 2014.