O vidro temperado é um vidro comum submetido às fases de corte; lapidação; furação e lavagem, que o deixam na dimensão e formato desejados. “Ele passa por um processo de beneficiamento etratamento de têmpera, que consiste no aquecimento gradativo seguido de resfriamento brusco, para estabelecer tensões elevadas de compressão nas zonas superficiais do vidro e tração no centro”, detalha a engenheira Vera Andrade, coordenadora-técnica da Associação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos (Abravidro).

Os vidros temperados podem ser até cinco vezes mais resistentes do que os comuns devido ao processo de beneficiamento. Classificados como vidros de segurança, se desintegram em pequenos fragmentos pouco cortantes quando ocorre a quebra, reduzindo a possibilidade de ferimentos em acidentes. Os temperados têm diferencial de temperatura de, aproximadamente, 220º C entre as faces interna e externa. Por isso, são usados, por exemplo, nas portas de fornos de fogões domésticos, onde a temperatura interna é muito maior do que a do ambiente.

vidros-temperados

Depois de pronto, o vidro temperado não pode sofrer modificações (Alex Ander/ Shutterstock.com)

As dimensões dos vidros temperados dependem das medidas aceitas pelos fornos de têmpera, por isso, as extensões mínimas e máximas devem ser consultadas junto aos fabricantes. Depois de pronto, o material não pode sofrer modificações, como a redução de sua dimensão. “Vale observar que o tamanho, a espessura, a quantidade de furos, os recortes e o número de apoios podem interferir na resistência do vidro”, lembra Andrade.

DIFERENÇAS ENTRE VIDRO TEMPERADO E VIDRO LAMINADO

Vidro temperado Vidro laminado
É composto por apenas uma lâmina É composto por duas ou mais lâminas de vidro, intercaladas por camadas intermediárias de polivinilbutiral (PVB) ou resina
É indicado para casos que necessitam de maior resistência mecânica, como em instalações autoportantes Quando o laminado quebra, não se desprende da esquadria devido à adesão do vidro ao PVB
Não deve ser especificado para vãos que precisam permanecer fechados mesmo após a quebra do vidro Ideal para aplicações em guarda-corpos, coberturas, pisos e fachadas

COMO ESPECIFICAR

Tamanho, espessura, quantidade de furos, os recortes e o número de apoios podem interferir na resistência do vidro

Vera Andrade

A especificação dos vidros temperados passa pela análise da ABNT NBR 7199 — Vidros na construção civil — Projeto, execução e aplicações. A norma, que foi revisada em 2016, estabelece regras para o uso dos temperados na arquitetura e os métodos para cálculo da espessura adequada. “A dimensão varia de acordo com a quantidade de apoios, o tamanho da peça, o local da instalação (pressão do vento) e a inclinação”, lista a especialista.

Esteticamente, a solução permite variadas possibilidades arquitetônicas, já que pode ser fabricada em formatos planos ou curvos, com diversos acabamentos de superfície como impressão digital, serigrafia, pintura.

FACHADAS DE VIDRO TEMPERADO

Nas fachadas, de acordo com a norma, o material deve ser especificado para medidas acima de 1,10 m em relação ao piso em todos os pavimentos – abaixo dessa cota, é obrigatório o uso do laminado ou aramado. “Do piso até essa altura, o temperado só pode ser usado no andar térreo, desde que não esteja dividindo ambientes com desnível superior a 1,5 m”, ressalta a engenheira.

PORTAS E JANELAS DE VIDRO TEMPERADO

O vidro temperado também pode ser usado em vitrines, portas e janelas. Em portas, os vidros aplicados abaixo de 1,10 m em relação ao piso devem ser de segurança. Já nas janelas, a solução pode ser quase sempre aproveitada, entretanto, se a esquadria for projetante e estiver acima do primeiro pavimento, o temperado só pode ser aplicado totalmente encaixilhado e com projeção máxima limitada a 250 mm da face da fachada ou da aba de proteção. “Nas vitrines, esse tipo de vidro também é uma alternativa para aplicações abaixo de 1,10 m”, complementa a especialista.

QUALIDADE

A solução conta com norma técnica própria, a ABNT NBR 14698 – Vidro temperado, que estabelece requisitos gerais, métodos de ensaio e cuidados necessários para garantir a segurança, a durabilidade e a qualidade do vidro temperado. Entre outras diretrizes, o documento determina que todo produto apresente a identificação da empresa fabricante.
O material tem, ainda, uma certificação voluntária do Inmetro. “No site da Abravidro, é possível consultar a relação de todas as indústrias que possuem esse selo e também a lista com os ensaios aplicáveis ao vidro temperado”, finaliza Andrade.